Alma Carioca

Palácio Monroe e sua Demolição

Já se passaram mais de trinta anos desde a sua demolição, mas o Palácio Monroe continua despertando polêmica. O ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, aventou a hipótese de reconstruí-lo. E muito concordam com ele. O Palácio Monroe foi projetado pelo general Francisco Souza Aguiar para a Exposição Internacional de Saint Louis, em 1904. Seu projeto foi premiado. Era a primeira vez que uma obra da arquitetura brasileira era reconhecida internacionalmente.

Terminada a exposição, o Palácio foi reconstruído no Rio de Janeiro, sendo este o primeiro edifício oficial inaugurado na Avenida Central, em 1906. 

O nome foi uma homenagem ao Presidente americano James Monroe, por sugestão do Barão do Rio Branco, Ministro das Relações Exteriores. Monroe foi o criador do Pan-Americanismo e, naquele local, realizou-se a "Terceira Conferência Pan-Americana".

Até 1914 o magnífico palácio continuou sendo usado como pavilhão de exposições.

Após algumas reformas passa a abrigar a Câmara de Deputados, que ali permanece até 1922.

De 1925 a 1930 é ocupado pelo Senado Federal. A "Revolução de 30" dissolveu o Senado, encerrando um ciclo.

"Por volta de 1970 tem, junto com outros edifícios da Avenida Rio Branco, o pedido de tombamento federal negado pelo IPHAN, conseguindo-o apenas no âmbito estadual.

A falta do aval federal para sua preservação levaria a uma verdadeira batalha em 1976.

Com as obras do metrô, é pedida sua demolição, apoiada por baluartes da arquitetura moderna como Lúcio Costa, e pelo Jornal "O GLOBO", que o atacava veementemente através de editoriais.

Por outro lado, o IAB e o Clube de Engenharia, através do Jornal do Brasil, tentavam de todas as maneiras preservar o edifício. Contudo, nem mesmo alterações no traçado do metrô foram suficientes para salvar o Palácio, que viria a ser demolido no mesmo ano."

Sobre o Palácio Monroe, assim se manifesta o site oficial do Senado Federal
O Palácio Monroe - Segunda Sede do Senado

Construído em 1904 para ser o "Pavilhão do Brasil" na Exposição de Saint Louis, de 30 de abril a 1º de dezembro de 1904 (comemoração do centenário de integração do Estado de Louisiana aos EUA), durante o regime republicano do Presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves, com o intuito de firmar o Brasil perante a situação mundial que vivia a euforia da "Belle Époque".

O autor, Coronel e Engenheiro Francisco Marcelino de Souza Aguiar, desenhou o palácio usando uma estrutura metálica, capaz de ser totalmente desmontada e re-aproveitada no Brasil, conforme determinação do Aviso nº 148 de 03/07/1903, cláusula 1ª: "Na construção do Pavilhão se terá em vista aproveitar toda a estrutura, de modo a poder-se reconstruí-lo nesta capital".

A imprensa americana não poupou elogios, destacando o "Pavilhão do Brasil" pela beleza, harmonia das linhas e qualidade do espaço, condecorando-o com o maior prêmio de arquitetura da época: "Grande Prêmio Medalha de Ouro".

Os elementos de composição inscrevem-se na linguagem geral do ecletismo, num estilo híbrido, caracterizado por uma combinação liberal de diversas origens que marcou uma época de transição na arquitetura. Rompendo o Brasil com os laços tradicionais da arquitetura de Portugal e descobrindo novas tendências.

Em 1906, foi remontado no Brasil, com 1700 m² de área construída, para sediar a "3ª Conferência Pan-Americana".

A demolição do Palácio Monroe

O início da campanha para a demolição do Palácio Monroe foi detonado em 04/07/1974, pelo jornal "O Globo", justificando atrapalhar o trânsito e a construção do metrô, qualificando-o como uma mera cópia, desprovido de qualquer valor artístico. Começa a elencar pareceres favoráveis à demolição.

O Palácio, que fora motivo de orgulho nacional, passa a ser chamado de monstrengo do passeio público, sem importância histórica. O local passa a ser especulado pela iniciativa privada para a construção de um edifício garagem, mas a proposta de uma grande praça para a estação do metrô da Cinelândia, rodeada de áreas verdes, ganha adeptos.

O Senador Magalhães Pinto, Presidente do Senado, pressionado pela opinião pública e pelos ataques do jornal "O Globo", dispõe-se a desocupar definitivamente o prédio.

Em 11 de outubro de 1975, o Presidente Ernesto Geisel autorizou o Patrimônio da União a providenciar a demolição do Palácio Monroe.

Datas Importantes do Palácio Monroe

* 23/07/1906 - Inaugurado no Rio de Janeiro para a "3ª Conferência Pan-Americana" - O orador, Barão do Rio Branco, batiza o então "Pavilhão do Brasil" como "Palácio Monroe", em homenagem ao Presidente dos EUA.
* Agosto, 1909 - Serve de sede para o "4º Congresso Médico Latino Americano - Exposição Internacional de Higiene.
* 1910 - É palco de várias reuniões e banquetes oficiais.
* 1911 - Utilizado como sede do Ministério da Viação.
* 1912 - Acolhe o "Congresso Internacional de Jurisconsultos".
* 1914 - Sede da Câmara dos Deputados.
* 1920 - Sessão Solene - Visita do Rei Alberto da Bélgica.
* 1921 - Convenção Nacional.
* 1922 - Comissão Executiva - Centenário da Independência.
* 1925 - Sede do Senado Federal.
* 1960 - Estado Maior das Forças Armadas. 

O QUE DIZ O METRO?

Toda vez que se fala no Palácio Monroe o Metrô é citado. A idéia que ficou na memória das pessoas, e faz parte inclusive de publicações, é que a demolição do Palácio foi motivada pela passagem do metrô pela Cinelândia.

Puro engano, pelo contrário, o objetivo sempre foi o de um grande esforço para preservá-lo.

A construção do trecho foi executada na primeira metade dos anos 70 e concluída no início de 1976. Houve por parte da então Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro o cuidado de preservar edificações históricas que se localizavam próximas à diretriz do traçado, como o Teatro Municipal e a Câmara Municipal.

No caso do Palácio Monroe, a situação era ainda mais crítica, pois sua localização interferia diretamente com a diretriz do traçado ideal.

A solução foi desviar levemente esta diretriz a fim de poupar a edificação, sem entretanto sacrificar a geometria da curva do traçado.

Como a distância entre a galeria e as fundações do prédio seria reduzida, cerca de 5 metros, e considerando que pela natureza do subsolo e características da construção não se poderia admitir abatimentos no terreno que resultassem em recalques no prédio, executou-se além de um rigoroso controle destes recalques, um custoso tratamento do terreno, sob os blocos de sua fundação, com injeções de calda de cimento e de silicato, de modo a melhorar seus parâmetros.

Até as estroncas metálicas de escoramento da vala foram protegidas com isopor de modo a protegê-las de possíveis deslocamentos devido ao gradiente térmico ocorrido, principalmente no verão.

Para viabilizar a construção, foi também necessária a remoção da escadaria de acesso àquele lado do palácio, seus adornos, inclusive das duas esculturas de leões que simbolizavam poder, pois interferiam fisicamente com as paredes da vala. Para tal, foi contratado um especialista, que com maestria executou o desmonte da escadaria, cujas partes, imediatamente após, foram cuidadosamente acondicionadas dentro do palácio a fim de preservá-las e permitir sua remontagem numa fase posterior.

Executadas as paredes diafragmas para contenção, e escavada a vala, o alto custo envolvido foi recompensado pelo total sucesso do projeto, não ocorrendo trincas no Palácio. O procedimento mereceu inclusive matérias nas revistas especializadas no assunto.

Concluída a concretagem da galeria e reaterrada a vala, o próximo passo seria a remontagem da escadaria e seus adornos a fim de que o Palácio readquirisse sua forma original. Entretanto, antes que essa fase fosse iniciada, o Governo Federal optou pela demolição do Palácio.

Foi com grande frustração que os técnicos da Companhia do Metrô viram que todo o sacrifício tinha sido em vão, todo o cuidado e tecnologia empregados foram ignorados e na Praça Mahatma Gandhi, no local onde outrora se localizava o Palácio Monroe, foi colocado um chafariz. 


Recomendar com o Google +1: Recomendar esse artigo a um amigo Email
História do Brasil
História da cidade do Rio de Janeiro - Fundação, Estácio de Sá
Descobrimento do Brasil em 22 de abril de 1500
A Carta de Caminha - Descobrimento do Brasil
Baía da Guanabara
Invasão francesa no Rio de Janeiro - França Antártica
Festas Juninas - Origem, no Brasil e Nordeste
O triste fim dos índios Tamoios
Muito ouro sob seus pés
A carta-denúncia de Joaquim Silvério dos Reis
A Inconfidência Mineira
Os mistérios da Pedra da Gávea
Carnaval brasileiro - Fotos, história, blocos
Origem do nome favela e favelas do Rio de Janeiro
A Santa casa de Misericórdia do Rio de Janeiro
Até Santo Antônio...
Palácio Monroe e sua Demolição

Página inicial do ALMA CARIOCA
Seções:
Rio de Janeiro
Turismo no Brasil e Viagens Nacionais
Turismo e Viagens Internacionais
Esportes
Olimpíadas Rio 2016 - Jogos Olímpicos e Paraolímpicos
Copa do Mundo Brasil 2014
Vídeos musicais nacionais
Vídeos musicais internacionais
Vídeos clips de músicas clássicas
Clipes musicais de filmes e trilhas sonoras
Melhores Sambas Enredo de Todos os Tempos
Vídeos de Mantras para Relaxamento e Meditação
Vídeos de músicas românticas internacionais e nacionais
Desenhos animados antigos da tv
Seriados antigos da tv
Trailers de filmes
Trailers de filmes clássicos de maiores bilheterias
Restaurantes, receitas e gastronomia
Crônicas
Bossa Nova
Rio Antigo
História Geral
História do Brasil
Geografia, Biomas brasileiros e ecossistemas
Artistas e celebridades

comments powered by Disqus

Política de Privacidade - Fale conosco
© 2001-2015 - Copacabana Internet