Alma Carioca

São Cristóvão - Carioca, Aristocrático e Plebeu

J.Carino

São Cristóvão é um bairro com alma imperial. Aqui, pode-se sentir hoje esse espírito de ontem, de passado grandioso e aristocrático. Em largas avenidas, casarões parecem abrir-se para que entrem carruagens com damas empoadas que voltam de seu passeio matinal.

O imenso gramado verde que cerca o palácio, hoje mal cuidado como um tapete castigado pelo tempo, já não acolhe famílias com seus farnéis de piquenique, prática comum há algumas décadas; porém, as árvores centenárias lá estão, como testemunhas mudas que agitam sua imensa galharia ao vento, o mesmo vento que arrancou perucas de duques e marqueses, quando chegavam para as confabulações e encontros conspiratórios da elite imperial, donde emanava o poder de vida e de morte num imenso e belo país dividido em províncias, quase sempre em mão de áulicos seguidores do imperador.

Passado, tradição, aristocracia, mas nunca o imobilismo retrógrado. Neste bairro de contrastes, é possível ver dali mesmo, da janela do palácio, hoje museu, a casa do Barão de Mauá, símbolo da ousadia empresarial, em que as práticas da burguesia capitalista iam corroendo, com o ácido dos interesses financeiros e comerciais, a estrutura de poder escravagista e assentada nos monopólios.

Ah, e a paixão? A Casa da Marquesa de Santos aí está, evocando o romantismo libertino do Primeiro Pedro, amor proibido afrontando o convencionalismos hipócritas...

Mas, São Cristóvão oferece-nos no presente um impressionante contraste com seu aristocratismo passado. Basta lembrar, do outro lado, a Feira de São Cristóvão. Esse enclave cultural nordestino exibe- nos toda a riqueza multicultural do Brasil.

Feira das delícias regionais: carne-de-sol, queijo de coalho, boas pingas, rapadura; feira do chamego ritualizado no forró, que se dança agarradinho, no "bate-coxas" mais discreto ou na umbigada mais chegada ao despudor; feira da saudade da terra tão árida, inóspita mas presente cotidianamente, e relembrada, depois de uma semana de árdua labuta, neste improvisado pedaço simbolizado da terra natal. Nada menos aristocrático e mais plebeu; nada mais povo, mais gostoso.

São Cristóvão tem mais ainda. Andando pelo comércio, algo me surpreende e intriga: São Cristóvão, sabemos, é o padroeiro dos motoristas; pois bem, exatamente aí, nesse bairro, se concentra uma imensa quantidade de lojas de autopeças, a maior do Rio. Donde terá surgido essa aproximação teológico-comercial? Pura coincidência?

O sol pleno do meio-dia ilumina a peça de automóvel cromada dependurada na porta da loja. Refletido nela, vejo o prédio do antigo Colégio Pedro II: eis o Bairro de São Cristóvão dos contrastes e convergências!

Outra surpresa: o bairro de São Cristóvão nos aproxima do infinito, das estrelas. Sim, lá no alto fica o Observatório Nacional, de onde se pode observar o maravilhoso e inigualável céu do Brasil. Sem andar muito podemos, pois, passar da velha Rua Bela à própria Via Láctea!

À nossa porção criança - que os mais inteligentes e sensíveis procuram preservar a qualquer preço - São Cristóvão ainda reserva o Jardim Zoológico. Andando por essas alamedas, comendo o mesmo algodão-doce, real ou o imaginário, da nossa infância, entramos num mundo diferente de cheiros e sons: os indóceis leões e leopardos, o majestoso elefante, a gentil e grandona girafa, os macacos cheios de sem-vergonhice, os lindos pássaros multicoloridos - tudo nos evoca, pelo olfato, pela audição, tempos idos, de excursões com a turma do colégio, ou de passeios com aqueles parentes do interior, entre os quais a priminha bonita e graciosamente caipira merecia olhares e leves toques de mão especiais.

São Cristóvão: imperial e plebeu; comercial e puramente romântico; histórico e vivo no presente. Não há outro bairro assim no Rio, tão de extremos, tão expressivo de nossa carioquice antiga, de hoje e de sempre.


Recomendar com o Google +1: Recomendar esse artigo a um amigo Email

Bairros 

do Rio de Janeiro

Leblon Copacabana Ipanema
Lagoa Urca Botafogo
Flamengo Barra da Tijuca Santa Teresa
Glória Catete Lapa
Alto da Boa Vista Centro Tijuca
Grajaú Vila Isabel Méier
Madureira Cosme Velho São Cristóvão
Penha Ilha do Governador Ilha de Paquetá
Usina Jacarepaguá Realengo
Cordovil Penha - Um desabafo

Página inicial do ALMA CARIOCA
Seções:
Rio de Janeiro
Turismo no Brasil e Viagens Nacionais
Turismo e Viagens Internacionais
Esportes
Olimpíadas Rio 2016 - Jogos Olímpicos e Paraolímpicos
Copa do Mundo Brasil 2014
Vídeos musicais nacionais
Vídeos musicais internacionais
Vídeos clips de músicas clássicas
Clipes musicais de filmes e trilhas sonoras
Melhores Sambas Enredo de Todos os Tempos
Vídeos de Mantras para Relaxamento e Meditação
Vídeos de músicas românticas internacionais e nacionais
Desenhos animados antigos da tv
Seriados antigos da tv
Trailers de filmes
Trailers de filmes clássicos de maiores bilheterias
Restaurantes, receitas e gastronomia
Crônicas
Bossa Nova
Rio Antigo
História Geral
História do Brasil
Geografia, Biomas brasileiros e ecossistemas
Artistas e celebridades

comments powered by Disqus

Política de Privacidade - Fale conosco
© 2001-2015 - Copacabana Internet